Categorias
Cotidiano

Uma colher de arroz

Um prato de arroz, o que é um prato de arroz? Para muitos de nós, não é nada, tem até gente que acha que é comida de pobre. Mas para muita gente seria um manjar dos deuses. Deveríamos ter mais gratidão pelo que temos e reclamar menos da vida.

Categorias
Outros textos

Meu pequeno mundo…

Pode chamar de maluquice ou utopia, mas tenho meu mundo particular e ele é só meu, mesmo que eu gostaria que fosse de todos. Sim, eu tenho um pequeno mundo, meu mundinho, onde pinto e bordo do jeito que quero e onde as coisas são como espero. Ele existe porque insisto em crer que nosso mundo real poderia ser muito melhor.

Categorias
Cotidiano

“Para que duas pernas saudáveis se há tantas mãos boas neste mundo para ajudar, não é mesmo?” ou “Sorrir é melhor que reclamar”

Um encontro. Uma lição de vida

Categorias
Comportamento

Tanto faz se sobe ou desce: o melhor caminho não é o mais fácil, mas o que leva para onde se quer chegar

Ao escolhermos outro caminho, terminamos chegando também a algum lugar, mas normalmente não onde queríamos.

Categorias
Outros textos

Quero um Natal pequeno…

Tamanho não é documento e Natal grande é Natal inchado, cheio de coisas boas, mas também de coisas que distraem, estressam, irritam, custam caro, afastam, dividem e nos fazem perder de vista o sentido da festa.

Categorias
Comportamento

Por que você não gosta de mim? O mundo virtual e nossas carências

Sobre nossa forma de lidar com o mundo virtual para compensar o real

Categorias
Comportamento

Pedaços de mim

Sobre a necessidade de conhecer e aceitar tudo aquilo que nos compõe

Categorias
Comportamento Cotidiano

O que é que eu vou fazer aqui esse tempo todo?

Sobre a perda de capacidade de suportar o silêncio, o outro e a si mesmo.

Categorias
Comportamento

Somos todos passageiros

Estamos todos de passagem no trem da vida…

Categorias
Contos

DIA DAS MÃES – Minha mãe e o gato feio

“Entendi assim que, para deixar minha mãe feliz, eu deveria cuidar sempre de mim, de meu caminho, fazer minha parte, dando-lhe o mínimo de preocupação possível, mas não somente uma vez por ano, no Dia das Mães, mas sim todos os dias, durante o ano todo. ”