Gustl Rosenkranz
O belo é imperfeito

O belo é imperfeito

Conformidade e simetria nos tornam um entre muitos, sem graça e sem tempero. O que nos torna belo é nossa imperfeição.

Ele caminhava com a filha na praia, onde estavam de férias, e catavam pedras. O pai estava admirado com a perfeição daquelas pequenas pedras alisadas e desenhadas pelo mar, que desbastava os desníveis, dando-lhes uma geometria quase exata. A filha resolveu então que eles deveriam procurar uma pedra bem bonita para levar para a mãe, que ficara em casa cuidando do filho mais novo.

Logo depois, o pai acreditava ter encontrado a pedra ideal, redonda, lisa, branca com listras marrons, numa uniformidade tão grande que parecia uma obra-prima de algum engenheiro ou artista plástico.

Orgulhoso por tê-la encontrado, ele a mostrou a filha:

<<Olhe, filha, achei a pedra para a mamãe! Ela não é linda?>>

A menina olhou a pedra com ar de perito, segurou-a na mão e respondeu:

<<É bonita, pai, mas eu prefiro esta aqui!>>, mostrando outra pedra, toda manchada e torta, com cantos, fissuras e até um pedaço faltando.

<<Mas porque esta, filha? Ela não é feia?>>

<<Não, pai. Olhe só: ela é diferente das outras! Ela é bonita porque é especial, como a mamãe!>>, respondeu a garota, colocando a pedra torta na mão do pai.

Ele parou por um instante, olhou bem para a pedra e concordou com a filha, pois realmente se destacava das demais.

De mãos dadas, eles caminharam de volta, com a filha cantarolando, alegre pelo presente que estava levando para a mãe, e o pai pensativo por causa da lição de vida que acabava de receber da filha. “Sim, especial como a mamãe”, refletia ele, conscientizando-se mais uma vez de que sua esposa realmente era alguém muito especial e que sua beleza não estava no padronizado, nem no conforme, mas em tudo aquilo que a destacava, que a tornava singular e única, exatamente em sua tortuosidade, em suas marcas, manchas, fissuras e cicatrizes e mesmo nos “cantos quebrados” que lhe faltam. Conformidade e simetria nos tornam um entre muitos, sem graça e sem tempero. O que nos torna belo é nossa imperfeição, já que é exatamente ela que torna alguém especial, como aquela pedra que, sim, a filha tinha razão: era tão especial como sua mãe.

Caso deseje utilizar algum conteúdo deste blog, leia, por favor, estas informações.

Gustl Rosenkranz

Blogueiro, estreado na Bahia, residente em Berlim, brasileiro de nascença, alemão por opção, adepto da empatia, apaixonado por palavras, observador, escreve sob a vida e tudo que a toca. Contato: gustl.rosenkranz@outlook.com

2 comentários

  • Já conhecia seus textos sobre o Natal: Vamos a Belem e Silencio Natalino virou batucada, que enviei no ano passado por email para meus amigos e vindo aqui encontrei mais esse. Meus natais faz muiiiiiiiiiiiitos anos são assim e fico tão feliz em encontrar identificação com o que voce escreve sobre essa data tão especial, que perdeu sua essencia na vida atual e me lembro então que “Tudo vale a pena quando a alma não é pequena.” (Fernando Pessoa), pois essa sim vai se tornar grandiosa com sua contribuição. Essa é minha escolha para compartilhar nessas semanas que antecedem o Natal e que seja seu presente para todos nós que acompanhamos voce, a permissão para distribui-lo com muitos.
    Carinho de Genoveva

Most discussed