Blog de Gustl Rosenkranz

AS DUAS METADES

Falaram de muitas coisas, riram muito, ficaram tristes com um ou outro assunto, pasmos com outros. Não demorou muito até que tinham um sentimento gostoso, aquele sentimento de duas pessoas estranhas que acabam de se encontrar, mas que parecem que já se conhecem há uma eternidade.

Ele estava sentado na varanda da vida, no escuro, olhando o mundo girar, meio entediado com a rotina das coisas que passavam à sua frente. Ele estava ali, pensando nisso ou naquilo e sentindo falta de alguma coisa que nem sabia explicar. Ele esperava na verdade pela sua outra metade, já que passou a vida se sentindo incompleto e agora essa falta incomodava. E foi de repente, assim do nada, que uma mulher apareceu. Ela chegou, olhou em sua direção, viu que havia alguém sentado no escuro e perguntou sorrindo

<<Ei, tudo bem? Por que você está sentada aí no escuro, mulher?>>

Ele sorriu consigo mesmo e respondeu cordialmente

<<Eu vou bem, obrigado. Mas só que não sou mulher. Sou homem! Estou sentado aqui para ver o mundo girar e refletir um pouco sobre tudo>>

Ela ficou embaraçada e sorriu, pedindo desculpas. Depois ficou ali parada, olhando-o e querendo saber mais sobre ele. E ele sobre ela.

Começaram a conversar, e conversaram muito! Ele se mantinha um pouco reservado, mas ela mostrava grande curiosidade e interesse e perguntava muitas coisas, querendo saber de tudo, mas nunca de uma forma invasiva, sempre muito dócil e gentil. Ele foi respondendo suas perguntas e fazendo as deles e assim foram se conhecendo mais e mais.

Falaram de muitas coisas, riram muito, ficaram tristes com um ou outro assunto, pasmos com outros. Não demorou muito até que tinham um sentimento gostoso, aquele sentimento de duas pessoas estranhas que acabam de se encontrar, mas que parecem que já se conhecem há uma eternidade.

Logo estavam eles lá, se abrindo, confiando um no outro, sempre com muito respeito, sempre sem nenhuma maldade, com muita leveza e enorme carinho.

A certo momento, ele a perguntou

<<Poxa, nos entendemos tão bem! Não gostaria que você somente passasse por minha vida. Que tal passarmos um tempo maior juntos? >>

<<Sério?>>, perguntou ela meio surpresa. <<Quanto tempo mais?>>

<<Oh, se for sempre como está sendo agora, com tamanha proximidade, com tanta confiança e tanto respeito e todo esse carinho no ar, gostaria que fosse para sempre>>, disse ele sorrindo.

<<Não sei. Não nos conhecemos direito>>, respondeu insegura.

<<Mas para nos conhecermos, precisamos nos dar essa chance. E é só isso que desejo: a chance de nos conhecermos melhor>>, disse ele esperançoso e sorrindo.

Ela continuou insegura, mas continuou ali parada. Calou-se por um tempo e depois disse:

<<Tenho medo de você me conhecer melhor e não gostar de mim. Está tudo tão bonito assim. Temo quebrar o encanto>>

<<Não sei se vou gostar mais ou menos de você. Como poderia saber? Não sei o que o futuro nos trará. Como poderia saber? O que sei é que você é muito especial para que eu lhe deixe seguir sem tentar ir ou ficar com você. Venha, sente-se aqui ao meu lado e vamos tentar nos conhecer melhor>>, disse ele com ternura.

Mas ela recusou:

<<Para isso, eu teria que subir na varanda e não posso agora. Ela é muito alta. Vai demorar muito até eu chegar em cima>>.

<<Bom, descer é mais rápido. Então posso ir até você!>>, disse ele todo animado.

Mas ela recusou novamente, mais uma vez dizendo que tinha medo que ele se decepcionasse ao vê-la de perto.

<< Sabe, esperava sentado aqui por algo que nem sabia o que era, mas agora sei. Eu esperava por você. Desde que você apareceu, me sinto completo>>, disse ele, <<acho que você é a metade que me faltava>>.

<<Eu sei, sinto a mesma coisa>>, disse ela, <<mas tenho medo. Prefiro seguir>>.

Ele ficou triste, calou-se por um momento e disse em seguida:

<<Não sei explicar, mas meu coração transborda de tristeza. Mas não somente: também de gratidão, pois foi maravilhoso encontrar você, esse encontro para mim foi um toque de carinho na alma. Mas pare de pensar que eu poderia não gostar de você. Você é uma pessoa tão especial! E como poderia não gostar de você se é a parte que me falta? Deixar você seguir é para mim perder novamente minha outra metade, é sentir-me novamente incompleto. Isso me aperta o peito e dói na alma, mas não posso lhe prender. O encanto quebraria se você ficasse sem querer. Por isso, aceito sua decisão, mas lhe peço que reflita e se perceber que precisa de sua outra metade, volte aqui. Eu estarei esperando por você!>>, disse ele com uma voz triste, mas tranquila.

Os dois se calaram. No rosto dela corria uma lágrima. No rosto dele também. Ela se despediu soprando um beijo no ar e se afastou devagar, parando a certo momento, voltando para trás e dizendo:

<<Por favor, não me procure, pois eu não mereço você!>>

Ele respondeu:

<<Vou esperar por você, pois nós nos merecemos!>>

Ela seguiu. Ele a acompanhou com os olhos até que ela sumisse em umas das curvas do mundo, depois suspirou e começou a chorar em silêncio, colocando a mão no lugar ao seu lado, reservando-o assim para sua outra metade, se um dia ela resolvesse voltar. Ele estava triste, mas sabia que é melhor viver incompleto do que prender um pedaço de si mesmo. Ele sabia que tinha que deixá-la ir, pois só um reencontro em liberdade poderia reunir novamente as duas metades.

Gustl Rosenkranz

Siga-me no Facebook:

1 comentário

  • Amar é muito complicado mesmo, pois sempe um ou outro se acha insuficiente para com a outra metade, e mesmo sabendo que precisa se preencher com aquele alguém “especial”, damos um passo pra trás, pensando que não somos merecedor de tal amor.