Gustl Rosenkranz
Relacionamentos modernos e a volta da esfregação

Relacionamentos modernos e a volta da esfregação

Esfregação, o ato sócio-erótico que serviu para aproximar pessoas durante muitas gerações, que quase desapareceu com a chegada da internet, mas que hoje está voltando, mesmo que de uma forma bastante diferente e que não dê mais tão certo como antigamente.

Quero falar da esfregação, esse ato sócio-erótico que serviu para aproximar pessoas durante muitas gerações, que quase desapareceu com a chegada da internet, mas que hoje está voltando, mesmo que de uma forma bastante diferente e mesmo que não dê mais certo como dava antigamente.

Vamos ser sinceros: não era se esfregando que a gente se conhecia? Não era no “rala-bucho”, dançando forró, lambada, gafieira, salsa, merengue e tantas outras danças que bem servem para isso? Mesmo na valsa não tinha gente que dava um jeito de dar uma esfregada e até em música eletrônica, com todo mundo dançando solto, não era especial aquele momento em que o rapaz bonitinho ou a moça bonitinha passava raspando em você e lhe tocava de alguma maneira?

Relacionamentos modernos e a volta da esfregação

Já na idade média, com aquelas danças cheias de figuras e formalidades, os casais sempre davam um jeito de se esfregar, pelo menos é o que mostram os filmes de Roliúde.

Até em ambientes mais sérios, como no trabalho, também rolava esfregação. Colegas se gostavam, mas não tinham coragem de se aproximar diretamente e iam deixando acontecer, com trocas de olhares, toques “acidentais” durante o expediente e esfrego de ombros ao passar no corredor apertado.

As pessoas se conheciam também através do toque, do contato corporal, da aproximação física (direta ou sutil).

Em minha opinião, a esfregação era bastante útil nessa fase inicial, de aproximação de um casal. Era através das esfregadelas que se ia percebendo se valia a pena arriscar esfregadas maiores.

Só que essa “esfregação preliminar” quase desapareceu do mapa. O povo começou a ralar menos o bucho nas pistas de dança, preferindo buscar parceiros pela internet, o que não deixa de ser uma coisa muito útil, pois permite esclarecer muitas coisas já de antemão, desde as preferências até a foto nude para se certificar que não se está comprando gato por lebre.

Todavia, depois de esclarecer tudo que pode ser esclarecido virtualmente, o casal se encontra e, o mais tardar quando começa a esfregação, se percebe que não dá para esfregar direito esse encontro.

Mas o povo é esperto e resolveu então “reinventar” a esfregação, só que hoje ninguém mais mexe as cadeiras para isso. Na verdade, nem precisa sair de casa. Basta sentar-se no sofá (ou mesmo no vaso sanitário) com o telefone, esticar o dedo indicador e sair esfregando fotos para um lado ou para o outro.

Acredito que já deve ser possível determinar o grau de solidão de uma pessoa pela “grossura” dos músculos de seu dedo indicador, que deve ser bem mais acentuada em esfregadores frequentes.

O povo sai então esfregando a torto e a direito, para lá ou para cá, até que dois usuários se esfregam mutuamente. O esfregão digital aproxima os dois, mas, na hora de se esfregar de verdade, percebe-se que os problemas persistem e a coisa termina em osso batendo em joelho, muito ai, ai, ai, ui, ui, ui e outros pequenos acidentes de dois seres com ritmos de esfregação inteiramente incompatíveis. Como eles saltaram a “esfregação preliminar”, eles puderam constatar anteriormente muitas coisas, mas não se a química realmente batia.

Relacionamentos modernos e a volta da esfregação

Sei não, podem me chamar de antiquado, de cafona, de quadrado, do que quiser, mas prefiro os métodos de antigamente, onde se sentia o outro presente, se olhava nos olhos, se cheirava e escutava, com um interesse despertado pelo ser humano real que ali estava e não por um perfil virtual, cujas fotos poderiam ser reais, mas também poderiam ter sido baixadas de algum catálogo de moda por aí, e que muito provavelmente desperta numa pessoa solitária expectativas não muito condizentes com a realidade.

Sinceramente, prefiro ir dançar e “esfregar o bucho”, a alma e tudo que tenho direito. Todos deveríamos dançar e “nos esfregar” mais. Afinal, já que é para conhecer o “amor de sua vida”, vale a pena investir mais que apenas uma esfregada com o dedo indicador esticado, não é mesmo?

Vá dançar! 🙂

Caso deseje utilizar algum conteúdo deste blog, leia, por favor, estas informações.

Gustl Rosenkranz

Blogueiro, estreado na Bahia, residente em Berlim, brasileiro de nascença, alemão por opção, adepto da empatia, apaixonado por palavras, observador, escreve sob a vida e tudo que a toca. Contato: gustl.rosenkranz@outlook.com

Escreva um comentário

Most discussed