Gente

O que é que eu vou fazer aqui esse tempo todo?

O que é que eu vou fazer aqui esse tempo todo?

Sobre a perda de capacidade de suportar o silêncio, o outro e a si mesmo.

Um casal chegou a uma pousada numa praia meio afastada de Florianópolis. Eu também estava hospedado nessa pousada e presenciei uma cena que me deixou pensativo:

O casal chegou e ficou encantado com a pousada. Os dois deixaram as coisas no quarto e voltaram dizendo que tudo estava uma maravilha e que era ali mesmo que queriam ficar. O dono da pousada sorriu e disse que sim, que eles iriam adorar ficar ali e descansar. Eles perguntaram então pelo caminho para a praia e lá se foram passear e ver o mar. E eu fiquei ali de conversa com o proprietário.

A praia
A praia

Não demorou muito e voltaram indignados, irritados, se queixando com o dono da pousada que aquela praia não prestava. Eu fiquei surpreso, pois a praia era muito bonita e bastante sossegada, aliás esse havia sido o principal motivo de eu estar ali. Quando o dono, também sem entender, perguntou o porquê da indignação, veio a resposta de que ali não havia nada para fazer, que a praia era deserta e um verdadeiro tédio, sem banana boot, sem jet-ski, sem cadeiras, sem sombreiros, sem gente tomando banho de sol, não tinha bares, nem cafés, não tinha nada e mais nada… A mulher olhava com uma expressão irada, como se alguém a tivesse ofendido profundamente e perguntou “o que é que eu vou fazer aqui esse tempo todo?”. Resumindo a história do casal: ele pagou a diária, pegou as malas e foi embora.

O dono da pousada e eu ficamos pasmos, sem entender aquilo. Por um lado, respeito a opção de vida de cada um e sei que nós temos diferentes gostos e necessidades. E é bom saber que existem por aí pousadas, hotéis e resorts que oferecem a badalação e a distração que essas pessoas procuravam, mas, por outro lado, fiquei encucado com a pergunta da mulher “o que é que eu vou fazer aqui esse tempo todo?”. Poxa, era um casal, duas pessoas que estão juntas voluntariamente e que provavelmente supõem que se amam. Será que não basta estar junto com a pessoa amada? Será que não basta ter tempo para si e para o outro, será que um lugar calmo, cercado de natureza não seria uma boa chance de ter simplesmente tempo, tempo para descansar e tempo para se concentrar no que é essencial, tempo até mesmo para se descobrir e também para recarregar as baterias, sem todo esse “circo” que normalmente nos cerca?

Não me compete julgar essas pessoas. Elas são livres para escolher a forma de vida que acharem melhor para si. Mas registro que esse casal não foi para mim nenhuma exceção, já que o mundo de hoje me parece mesmo sempre em busca de distrações e divertimentos, de desvios da atenção, de uma exteriorização das emoções, talvez como fuga de uma introspecção, talvez como fuga de si mesmo.

Nada disso seria grave se, ao mesmo tempo, houvesse a impressão de que as pessoas estão realmente felizes com tal postura em relação à vida. Mas não é isso que percebo. Posso estar errado (já que não posso olhar dentro das pessoas!), mas não tenho a impressão de que essa tendência de fugir do silêncio, da calma e de si mesmo tenha deixado o ser humano mais feliz. Se isso fosse assim, não perceberíamos o paradoxo que é o crescimento acentuado do consumismo e da procura por entretenimento e simultaneamente uma maior busca por autoajuda e coisas que acalantem a alma. Consumimos também tudo aquilo que julgamos ser alimento para o espírito, a filosofia budista está em alta, “namastê” anda na boca de muitos, meditação, ioga, espiritismo ou mesmo fanatismo religioso temperam esse mundo moderno. Tenho a impressão de que buscamos nos encontrar, mas, no fundo, andamos mais perdidos que achados. E desconfio que nos perdemos mais e mais por fugirmos de nós mesmos.

Sou uma pessoa sensível ao barulho. Sempre fui assim. E sempre preferi o silêncio ao alarde, sempre preferi o sossego ao excesso de atividades, sempre gostei mais de estar comigo mesmo ou somente com alguns do que com grupos grandes de pessoas. E tenho que constatar que, infelizmente, está cada dia mais difícil encontrar esse silêncio, em um mundo cada dia mais populoso, mas eletrônico e mais motorizado. É quase impossível estar próximo a pessoas e não escutar PINGs, PENGs e TRALILARÁs de celulares, é quase impossível não escutar um carro passando (ou mesmo uma motocicleta com seu escape manipulado especialmente para zoar!) e praticamente sempre tem alguém falando ou gritando por perto. Parece que desaprendemos a calar nossa boca, nossa mente, nossa alma. E desconfio que por trás de tudo isso pode se encontrar a perda de capacidade de suportarmos uns aos outros, de suportarmos a nós mesmos, de suportarmos a vida em sua essência.

O casal se foi com a mulher dizendo “o que é que eu vou fazer aqui esse tempo todo?”. E eu fiquei pensando: será que eles se bastam tão pouco para precisar de um banana boot na praia para se sentirem bem? Será que eles não se suportam o suficiente para suportarem também a calma e o silêncio? Bom, espero de coração que eles tenham encontrado o lugar certo que procuravam. E espero também que eles não tenham ido embora para fugir de si mesmos, pois, se foi esse o motivo, eles vão perceber mais cedo ou mais tarde que se levaram consigo.


Você pode comentar via Facebook ou através do formulário no final da página.

Escreva um comentário

Click here to post a comment