Conecte-se
Se a vovó estivesse aqui...

Contos

Se a vovó estivesse aqui…

No supermercado

Agora há pouco no supermercado:

Uma mulher e sua filha. A mãe viu o prato com cubos de queijo para experimentar em cima do balcão, pegou um pedaço e colocou na boca. A filha imitou a mãe, ficou nas pontas dos pés para alcançar o prato e pegou também um cubo de queijo. Só que ao invés de engoli-lo, como fez a mãe, a menina foi até uma funcionária do supermercado, estendeu a mão, mostrando o queijo e perguntou:

<<Posso comer?>>

A funcionária sorriu e respondeu gentilmente:

<<Claro que sim. É para isso que o queijo está aí!>>

A mãe, que observou toda a cena, disse para a filha que ela não precisava ter perguntado isso, mas a filha reagiu indignada:

<<Tinha que perguntar sim, mãe! Você mesma me disse que eu nunca devo pegar nada sem perguntar antes. Você comeu o queijo sem perguntar. Você não poderia ter feito isso. Se a vovó estivesse aqui, ela iria brigar com você!“.

A mãe sorriu desconcertada. Eu sorri com prazer. As crianças são realmente os melhores seres humanos.

 

Os direitos autorais e de propriedade intelectual dos artigos deste blog estão protegidos por lei. Você não pode utilizar qualquer conteúdo sem a devida autorização. Saiba mais...
O autor:

Apaixonado por palavras, viciado em escrever, fazendo uso das liberdades mais essenciais que temos: a liberdade de sentir e a liberdade de pensar. Escrevo sobre o que passa por minha cabeça, sobre coisas que vejo, escuto e vivencio diariamente, enfim, escrevo sobre a vida e suas facetas, sobre o mundo e suas entranhas e sobre o ser humano, com seus sonhos, medos e esperanças. Escrevo sem “luvas”, tocando no assunto, pouco preocupado em agradar, querendo mais é mexer com o leitor, de forma clara, suavemente subversiva, mas sempre carinhosa e profunda.

Clique aqui para comentar

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Facebook

Categorias

Posts recentes

O dia em que recebi o “Prêmio Nobel da paternidade” O dia em que recebi o “Prêmio Nobel da paternidade”

O dia em que recebi o “Prêmio Nobel da paternidade”

Família

maioridade penal maioridade penal

Diminuição da maioridade penal: o que penso sobre o assunto

Sociedade

Educar não é formatar Educar não é formatar

Educar não é formatar

Comportamento

O choro é o limite! O choro é o limite!

O choro é o limite!

Comportamento

Conecte-se