Publicidade

CONTI outrawww.contioutra.com

Ultimamente se tem percebido um acentuado interesse de pessoas no Brasil, muitas com claras intenções de emigrar, sobre a questão de segurança na Alemanha. Algo extremamente legítimo e compreensivo, diante da realidade no Brasil. A falta de segurança não é o único, mas é um dos grandes motivos que levam brasileiros a saírem do país. É normal então que se preocupe com esse assunto, já que não valeria a pena mudar de pais, mas trocando somente bandido por Verbrecher e prosseguindo a vida com medo. A seguir, uma visão geral da situação atual da segurança pública na Alemanha.petralhas

Como é a segurança pública na Alemanha?

Não dá para comparar o Brasil e a Alemanha na área de segurança. Enquanto que no Brasil nos vemos deparados com uma segurança pública extremamente deficitária, uma polícia despreparada e não raramente corrupta e um sistema de justiça lento e pouco eficiente, vemos na Alemanha uma situação bem diferente: também aqui há problemas, também aqui há criminalidade, mas o povo não vive com medo. Você pode sair no meio da noite, em qualquer cidade grande alemã, sem precisar temer ser assaltado. O perigo existe, sim, isso pode acontecer, e existem lugares perigosos que devem ser evitados, mas agora vêm as diferenças: a probabilidade de ser assaltado é baixíssima, se acontecer, você pode recorrer à polícia, que lhe tratará profissionalmente, com respeito, que irá apurar o caso sem pedir “recompensa” e que vai realmente estar ali para servir ao cidadão. E se o assaltante for preso (o que ocorre aqui com muito mais frequência que no Brasil), ele vai ser apresentado a uma justiça neutra, infelizmente muitas vezes lenta, mas que vai julgar imparcialmente e aplicar a lei. O sujeito vai ser então mandado para uma penitenciária com celas limpas, onde os direitos humanos são respeitados (mesmo que não deixem de ocorrer abusos), com boas chances de ressocialização. Para vocês terem uma ideia, uma pequena história:

Armin (nome alterado) era um marroquino por quem eu sempre passava quando ia para o metrô. Com o tempo, começamos a nos cumprimentar. Ele sempre estava lá, parado na esquina. Logo entendi que ele vendia drogas e esperava ali por seus clientes. Um belo dia, ele desapareceu, só voltando quase um ano depois. Fiquei surpreso, parei e perguntei onde ele andara. O resultado foi o seguinte diálogo:

<<Eu estava de férias.>>, disse ele sorrindo bem largo.

<<No Marrocos?>>, perguntei.

<<Não, aqui em Berlin.>>, disse ele, dando uma gargalhada em seguida. Ele parecia achar a conversa divertida, já adivinhando que eu ficaria perplexo com sua explicação:

<<Eu estava na cadeia. Mas cadeia alemã não é cadeia. Para quem conhece cadeia no Marrocos, aquilo ali é uma colônia de férias.>>, disse sorrindo, bateu no meu ombro e caminhou para um homem parado na esquina. Depois de um tempo, ele desapareceu de vez e me parece que desta vez suas “férias” vão ser bem mais longas.

Penso que podemos trocar Armin por qualquer um que conhece uma penitenciária brasileira por dentro. Acho que a opinião seria a mesma, já que prisão no Brasil não é nenhuma “colônia de férias”, mas um verdadeiro inferno, que só serve para pisotear nos direitos humanos do condenado e fazer com que o criminoso saia mais perigoso do que quando entrou.

A segurança pública na Alemanha tem seus déficits, tem seus problemas, mas, no geral, ela é muito boa. Aqui as casas normalmente não têm muros altos, nem cercas elétricas, aqui se vive sem medo. Se você dormir no banco de um parque, o máximo que provavelmente irá acontecer é você acordar com a luz da lanterna de um policial no rosto perguntando o que você está fazendo ali. É claro que há diferenças regionais e há alguns problemas específicos (que vou tentar tratar mais adiante), mas a segurança pública alemã como um todo funciona bem. Pensei nisso ainda ontem, quando fui ao banco sacar dinheiro. Foi de repente que me dei conta de que estava ali, dentro daquela agência, sacando dinheiro diretamente no caixa, sem nenhum medo de ser assaltado. Dei uma olhada à minha volta e sabe o que vi? Nada: nenhum segurança armado, nenhum detector de metais na entrada, com certeza havia câmeras, mas estavam escondidas…

Quais os crimes comuns na Alemanha?

Penso que todo tipo de crime pode acontecer em qualquer parte do mundo, independentemente do nível de segurança do país. O fato da Alemanha ter uma boa segurança não significa que aqui não ocorra esse ou aquele tipo de delito. A diferença está nos números, na punição dos malfeitores e na presença do Estado, que inibe a ocorrência de contravenções. Também aqui há crimes e criminosos, assaltos, assassinatos, estupros, etc., mas em um nível muito diferente do Brasil. A seguir, uma visão geral dos crimes mais comuns ocorridos por aqui.

Arrombamento de casas

O arrombamento de casas e apartamentos é um dos crimes mais comuns na Alemanha, principalmente em cidades grandes. E podemos distinguir entre dois tipos arrombadores: os “pequenos ladrões”, muitas vezes viciados em drogas, que agem por conta própria, e as quadrilhas de crime organizado, que roubam com sistema. Essas quadrilhas, vindas não raramente do Leste Europeu, se aproveitam da abertura das fronteiras dentro da União Europeia para praticar seus delitos, já que a liberdade de locomoção dentro de quase todo o continente facilita a fuga. Enquanto que os “pequenos” arrombadores são normalmente “caçadores de oportunidades”, ou seja, eles passam por uma casa, percebem que ela está vazia, veem alguma porta ou janela aberta (ou fechada, mas fácil de arrombar) dando sopa e resolvem entrar para roubar. Já as quadrilhas planejam o arrombamento direitinho, observam os moradores por vários dias e agem com alto profissionalismo, se é que podemos chamar a carreira de bandido de profissão.

O que se vê pouco por aqui é o assalto à mão armada. Os arrombamentos ocorrem quando os moradores não se encontram em casa. Cenas conhecidas no Brasil, como o ladrão armado que espera pela pessoa na porta de casa para forçar a entrada é algo que só acontece com extrema raridade.

Proteger-se de arrombamentos é relativamente simples, bastando observar algumas regras, como nunca viajar de férias e deixar o apartamento o tempo todo fechado (aqui se pode pedir para alguém passar de vez em quando para olhar as coisas, regar as plantas, tirar a correspondência da caixa e mostrar presença!), trancar sempre a porta ao sair (não a deixando somente no trinco), mesmo que saia por pouco tempo (arrombadores nunca precisam mais que alguns minutos!) e não ficar espalhando em redes sociais que vai viajar e a casa ficará vazia. Casas e apartamentos que se encontram no térreo são muito mais afetados que apartamentos em andares superiores.

Cuidado com as janelas alemãs

Um perigo muito grande é representado pelas janelas alemãs, que, além de poderem ser abertas e fechadas, podem ser colocadas em uma posição intermediária (inclinada), normalmente utilizada para ventilar a casa sem precisar abrir totalmente a janela (ou mesmo a porta da varanda). Há quem saia de casa e deixe a janela “inclinada”, achando que não há perigo de ninguém entrar. Porém, uma janela inclinada é praticamente um convite para o larápio, que conseguirá abri-la em apenas alguns segundos.

Outra coisa que se deve evitar são avisos na porta, por exemplo, para o carteiro, dizendo que não está em casa e pedindo para entregar a correspondência em outro lugar, já que esse aviso não será lido apenas pelo carteiro. Ladrão também sabe ler! E o mesmo vale ao contrário: quando entregadores de pacotes não encontram a pessoa em casa, eles consumam deixar o pacote com um vizinho e colam um aviso na porta, informando isso, o que é igualmente perigoso, pois com isso ele avisa aos bandidos que não há ninguém em casa. Aqui no prédio, costumamos tirar esses avisos da porta, colocando-os na caixa de correspondência do respectivo vizinho. Caso você se ausente por um tempo maior, avise isso aos vizinhos para que eles prestem atenção e evite receber pacotes nesse período.

Batedores de carteira

Principalmente em situações de tumulto ou de muita gente na rua, não raramente em pontos turísticos, há o perigo de roubo de carteiras, celulares e afins. Isso também ocorre sem violência: alguém puxa conversa com você, lhe distraindo, enquanto ele mesmo ou um comparsa retira os objetos valiosos de seu bolso ou bolsa sem que ninguém perceba. Perigoso também é sentar-se em um café ou bar e deixar as coisas em algum lugar sem prestar atenção. Basta ter cuidado com as próprias coisas e ser atencioso com certos lugares, onde os batedores de carteiras costumam atuar (em Berlim, um desses lugares é a Alexanderplatz).

Aqui também vale: assaltos à mão armada são extremamente raros.

Seja cuidadoso também com a bagagem em trens, sem nunca deixa-la em um lugar onde você não possa vê-la e onde seja fácil alguém pegá-la e descer na próxima estação.

Roubo de bicicletas

Este é um tipo de crime muito comum por aqui. Deixar uma bicicleta na rua sem trancá-la é praticamente dá-la de presente aos ladrões. Mesmo bicicletas trancadas são roubadas, às vezes até mesmo dentro do prédio (aqui os ladrões também são espertos). O que ajuda aqui é ter um bom cadeado para a bicicleta e cuidado com o local onde a deixa.

Como acontece muito roubo de bicicletas, tenha cuidado também ao comprar uma usada, pois você poderia estar comprando algo furtado e isso pode ter consequências para você. Portanto, sempre que comprar uma bicicleta usada, exija comprovantes, anote os dados do vendedor e peça para ver seu documento de identidade. Se ele se negar, é melhor não comprar.

Roubo de carros

Arrombamento de veículos para roubar pertences deixados sobre os bancos, aparelhos de navegação e rádios ocorre com muita frequência. Mas também os próprios carros são roubados (normalmente marcas mais caras), geralmente por quadrilhas organizadas, que os levam para países do leste. Entretanto, também aqui se pode dizer: isso ocorre com muito menos frequência que no Brasil e é possível descartar quase que totalmente o perigo de assalto à mão armada, com alguém apontando uma arma para você, lhe obrigando a descer do carro. Os carros são roubados quando estão estacionados, principalmente em lugares mais desertos ou em edifícios-garagem, mais de noite que de dia.

Brigas na rua

Um problema sério nas cidades grandes alemãs são as brigas de rua, principalmente nas noites de fim de semana. Esse é um tipo de violência muitas vezes ligado ao consumo de álcool e drogas, mas também a um certo grau de frustração entre os jovens. Apesar da Alemanha ser um país rico, ela tem descuidado muito de sua juventude, deixando que muitos jovens cresçam sem muitas perspectivas. Isso afeta também jovens alemãs, mas, sem dúvida, são os filhos e filhas de migrantes que mais sofrem. Muitas vezes, a origem de um jovem fecha muitas portas para ele, já que há muitos preconceitos, por exemplo, contra turcos e árabes. Há poucos dias entrevistaram um rapaz na televisão, que nasceu na Alemanha, mas tinha pais turcos e um sobrenome que evidenciava sua origem. Apesar de suas boas notas e de sua excelente formação, ele não conseguia emprego. Nem sequer o convidavam para uma entrevista. O nome já bastava para ele ser rejeitado. Esse clima faz com que muitos jovens desanimem e desistam cedo da escola, sem falar da falta de apoio dentro da própria família, que não raramente tem escolaridade baixa e muitas vezes vive confinada em algum gueto da vida. Percebe-se claramente que, apesar de garantida pela constituição alemã, aqui não existe uma igualdade de chances para todos jovens e crianças, há um desequilíbrio claro entre ricos e pobres e entre alemães e migrantes. E esse desequilíbrio causa tensão social, que é descarregada então nas baladas da noite, na rua, com brigas que começam com alguma besteira e terminam em coisa séria. Há casos de jovens que partem para cima de outras pessoas assim sem mais nem menos, escolhem a vítima aleatoriamente e a espancam. Não quero me aprofundar nos motivos, pois é um tema complexo, mas é algo que infelizmente acontece, não toda hora, não todo dia, mas há o perigo e é bom ter cuidado. Não se deixe provocar por ninguém, se afaste tranquilamente do provocador sempre que possível. Se não der para se afastar, busque o diálogo, não provoque, seja gentil, mas se isso também não for possível, corra e procure ajuda (pare um Taxi, fale com passantes, chame a polícia). A provocação começa muitas vezes com uma pergunta “inofensiva”, do tipo: “Você me dá um cigarro?” ou “Você tem 10 Cents para mim?”. Já me vi confrontado com isso várias vezes, mas sempre me saí bem, porque fiquei tranquilo e dei a resposta certa: fui gentil, dei os 10 Cents (pois sabia que eles não queriam o dinheiro, mas sim ver como seria minha reação), desejei uma boa noite e fui embora. Nessa hora, seria burrice ser grosso, xingar, fazer cara feia, mandar deixar de ser vagabundo e ir trabalhar ou coisa similar. Aqui é bom manter a diplomacia, ser esperto, não se deixar provocar e abandonar a situação o mais rápido possível.

Violência contra estrangeiros

A violência contra estrangeiros existe na Alemanha. Isso é um fato, mesmo que não signifique que a sociedade alemã seja xenófoba. A Alemanha como um todo é um país aberto, os alemães adoram viajar e receber visitas. Mas é claro que nem todo mundo aqui é tão aberto assim. Há racistas, neonazistas, populistas de extrema direita e outras tendências idiotas, mas eles são uma clara minoria por aqui, uma minoria, porém, barulhenta e violenta.

Nas cidades grandes, o perigo de se ver confrontado com este tipo de violência é bem menor que em pequenas cidades e bem maior nos estados do Leste (ex-Alemanha Oriental). Em volta de Berlim, por exemplo, no estado de Brandemburgo, há muitas localidades que deveriam ser evitadas por estrangeiros.

Drogas

Como em todo canto, a proibição de drogas gera criminalidade, já que a proibição faz com que o preço das drogas suba, tornando sua comercialização lucrativa e interessante para o crime organizado. O problema da formação de quadrilhas é então a luta pelo mercado, o que gera violência e guerra entre os bandos de traficantes que o controlam. E isso também afeta a Alemanha.

Por outro lado, pessoas viciadas em drogas necessitam de dinheiro para sua aquisição, o que também gera criminalidade, mesmo que os viciados sejam mais “ladrões de galinhas”, que normalmente se limitam ao furto.

Fugir após provocar um acidente

Provocar um acidente na Alemanha e fugir é crime, e isso acontece muitas vezes. Alguém provoca um acidente e dá no pé, achando que ficará impune, mas isso raramente dá certo.

Fraudes

O truque do acidente fingido

Algo que ocorre muito aqui na Alemanha: alguém teve seu carro amassado em um acidente anterior. Quando acontece um novo acidente, esse alguém diz que o estrago no carro ocorreu naquele momento, querendo que a outra parte envolvida pague – ou cubra o dano pelo seguro do carro. Esses salafrários apostam no pânico da vítima, que nervosa e até mesmo desesperada termina admitindo um dano que ela não causou. O que ajuda aqui é manter a cabeça fria e chamar a polícia (coisa que o “esperto” nem vai querer!). Se você for vítima de algo assim, é importante saber que tal tipo de fraude é crime (Versicherungsbetrug), passível de multa de alguns mil euros ou cadeia. Portanto, se alguém tentar aplicar esse golpe, apresente queixa junto à polícia.

Internet

A criminalidade na internet é um problema sério na Alemanha: são roubados dados, por exemplo, número de conta bancária ou dados de cartão de crédito. Com isso, os bandidos compram coisas em seu nome, sacam dinheiro ou coisas parecidas. O problema aqui é que esses bandidos muitas vezes se encontram fora do país, o que dificulta uma investigação do delito. O que ajuda aqui: contatar imediatamente o banco assim que perceber uma fraude e reagir de imediato ao receber a fatura de algo que você não comprou, dar queixa na polícia e (o principal!) ter muito cuidado com seus dados na internet.

O truque do aluguel à distância

Um truque que tem ocorrido muito, afetando principalmente estrangeiros, é o fechamento de aluguel de imóvel à distância: a pessoa anuncia o imóvel em algum site na internet, você se interessa e entra em contato. A pessoa começa então com alguma história enrolada, dizendo que teve que viajar com urgência (normalmente devido a algum suposto caso de doença na família) e propõe fechar o contrato de aluguel à distância, pedindo para você enviar alguma quantia para receber então as chaves pelo correio. Por favor, nunca faça isso! Contrato de locação de imóvel na Alemanha é fechado pessoalmente, o aluguel é então pago mensalmente, mas sempre depois de já se ter recebido as chaves. Desconfie de qualquer proposta diferente.

Violência sexual

Isso também há por aqui. Principalmente mulheres devem ter cuidado para não sair (embriagada?) sozinha de uma discoteca. Também é perigoso ir para a casa de um homem que não conhece direito. Há também homens que costumam colocar drogas na bebida de uma mulher em um bar/discoteca, que fazem com que a mulher fique depois impedida de reagir e se defender, tornando-se assim uma presa fácil. Mas isso também pode afetar vítimas do sexo masculino, normalmente não para estupro, mas sim para assalto.

E é claro que ocorre também violência sexual contra crianças. Uma vez, ouvi de uma brasileira que isso aqui é bem pior que no Brasil, mas não acredito nisso. A coisa aqui chama mais atenção, já que casos assim são fortemente noticiados pela imprensa. O que vi no Brasil foi muito abuso de menores que praticamente passa despercebido.

E a violência doméstica também existe por estas bandas, normalmente contra mulheres e/ou crianças, mas com uma peculiaridade: há as Frauenhäuser (casas de amparo a mulheres) que acolhem e acompanham mulheres (com ou sem filhos) que foram vítimas de violência doméstica.

A polícia alemã

Não dá para comparar a polícia alemã com a brasileira. Para começar, aqui não existe polícia militar, a polícia daqui é uma só. Não vou dizer que não aqui não ocorrem abusos por parte de policiais. Sim, isso ocorre, mas o nível é outro. Os policiais são preparados para lidar com situações de estresse, pode até acontecer de trabalharem com má vontade, mas eles raramente vão deixar de respeitar seus direitos e, caso isso ocorra, a punição é certa.

É normal que brasileiros que aqui chegam tenham certa desconfiança em relação à polícia. Eu também passei por isso. Precisei de um bom tempo para interiorizar que a polícia daqui é diferente, não indo à rua para extorquir e maltratar a população.

Conheço, infelizmente, histórias de pessoas que tiveram problemas com a polícia, que foram maltratadas/desrespeitadas, mas são casos raros, principalmente se comparados com a frequência com a qual isso ocorre no Brasil.

Diferenças regionais

Também em termos de segurança, há diferenças regionais. Os estados da Baviera e Baden-Württemberg, por exemplo, são bem mais seguro que outros estados alemãs. E há também uma diferença clara entre cidades grandes e localidades pequenas: enquanto que na cidade temos que trancar sempre as portas, as pessoas em muitas localidades pequenas dormem com a casa aberta, não trancam o carro e vivem bem mais tranquila.

A apuração de crimes

Esta é com certeza uma das principais diferenças entre o Brasil e a Alemanha na área de segurança: o número de crimes apurados. O fato de crimes aqui serem investigados com seriedade e profissionalismo, levando normalmente os criminosos a julgamento e punição é uma das coisas que inibem a criminalidade na Alemanha, já que as chances do malfeitor ser encontrado e preso é altíssima.

Concluindo…

Repito o que não canso de dizer: a Alemanha não é nenhum paraíso. Aqui também há criminalidade, aqui também há criminosos, aqui também há o risco de ser vítima de um crime, mas entendo muito bem que alguém que acaba de chegar do Brasil se sinta como se estivesse no Jardim do Éden, já que essa pessoa vai poder respirar tranquila e sair na rua a qualquer hora sem medo de ser assaltado ou até mesmo de perder a vida. E como disse um conhecido meu: esse sentimento de segurança vale mais que qualquer praia, acarajé ou água de coco.

Foto no topo: www.neustadt-ticker.de

Link: Bundeskriminalamt – Estatísticas criminais na Alemanha (em alemão)

Publicidade